quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

A Sociedade Mineradora


A corrida do ouro 



     O Brasil passou por sensíveis transformações em função da mineração. A partir da descoberta da mina de ouro por Antônio Rodrigues Arzão, anos seguintes, foram descobertas novas minas de ouro, como as de Vila Rica, hoje Ouro Preto.
     Assim que a notícia da mina de ouro se espalhou, afluíram ao sertão mineiro milhares de pessoas das mais diversas, atraídas pela ideia de enriquecimento fácil.
Imagem de J. M. Rugendas que retrata a mina de ouro.

Guerra dos Emboabas 

               

     Nos primeiros anos de mineração, ninguém se preocupava em plantar ou criar. Com isso a região, passou por várias crises de fome. Mas, com o tempo a população começou a plantar roças de milho e feijão e criar porcos e galinhas. E, usando o ouro como moeda, passou a comprar de outras regiões aquilo que necessitavam.
     A Guerra dos Emboabas foi um confronto travado de 1707 a 1709, pelo direito de exploração das recém-descobertas jazidas de ouro, na região das Minas Gerais, no Brasil. O conflito contrapôs, de um lado, os desbravadores vicentinos, grupo formado pelos bandeirantes paulistas, que haviam descoberto a região das minas e que por esta razão reclamavam a exclusividade de explorá-las; e de outro lado um grupo heterogêneo composto de portugueses metropolitanos e migrantes das demais partes do Brasil, sobretudo da Bahia, liderados por Manuel Nunes Viana. Os portugueses calçavam botas altas e por isso foram apelidados pelos paulistas de emboabas, palavra de origem tupi que significa “aves de pés emplumados”. Esse conflito terminou com a vitória dos emboabas. O líder emboaba, o comerciante português Manuel Nunes Viana, ficou aclamado governador, e a capitania do Rio de Janeiro foi separada da se São Paulo e Minas e para melhorar, controlar a população, o Governador fundou vilas nos povoados mais populosos.


Guerra dos Emboabas.




Com isso a Guerra dos Emboabas levou a sérias, nos quais:

· Regulamentação da distribuição de lavras entre emboabas e paulistas.

· Regulamentação da cobrança do quinto.

· Cisão da Capitania de São Vicente em Capitania de São Paulo e Minas de Ouro e Capitania do Rio de Janeiro, ligadas diretamente à Coroa em (03 de novembro de 1709).

· São Paulo deixa de ser vila, tornando-se cidade

· Acabam as guerras na região das minas, com a metrópole assumindo o controle administrativo da região.

· A derrota dos paulistas fez com que alguns deles fossem para o oeste onde, anos mais tarde, descobririam novas jazidas de ouro nos atuais estados do Mato Grosso do Sul, Matos e Goiás.

· A produção de ouro após o fim da guerra aumenta de tal modo via migração, que Minas Gerais tornam-se a região mais rica do Brasil da época.


Controle sobre o ouro


  

     Iniciada a mineração, o rei de Portugal criou a Intendência das Minas um órgão encarregado de controlar a exploração do ouro, cobrar impostos e julgar crimes praticados na região. Passada a fase inicial da exploração do ouro, passou-se a investir em novas técnicas de extração.


Impostos


     A Intendência criou e cobrava pesados impostos: impostos sobre homens livres e escravizados, sobre tecidos, ferramentas, genros agrícolas e, é claro, sobre o ouro. Tendo o mais importante deles foi o quinto Quinto (era um imposto cobrado pela Coroa portuguesa sobre o ouro encontrado em suas colônias; correspondia a 20% do metal extraído e era registrado em "certificados de recolhimento" pelas casas de fundição). A cobrança era feita, sobretudo, nas estradas que ligavam Minas Gerais ao Rio de Janeiro, a São Paulo e à Bahia, sempre policiadas por soldados (dragões do Regimento das Minas).


Imagem de J. M. Rugendas, onde vê-se a representação de uma lavra,  um tipo de exploração de ouro feitas em grandes jazidas com mão de obra escrava 



Revolta de Vila Rica 


    O contrabando de ouro aumentava, e o governo português apertava o cerco. Para dificultar o desvio, em 1719 criou as Casas de Fundição, locais onde o ouro era transformado em barras, selado e quitado. Das casas de Fundição, o ouro seguia para a Provedoria da Fazenda Real, de onde era levado para o Rio de Janeiro.
Barra de ouro quitado, 1811



   A criação das casas de fundição aumentou a insatisfação das pessoas, e acabou ocasionando uma revolta em Vila Rica, em 1720. As principais exigências dos rebeldes foram:

· A redução do preço dos alimentos;
· A anulação do decreto que criava as casas de fundição.

     Liderada por Filipe dos Santos, a revolta contou com a participação de vários integrantes do povo (principalmente pessoas mais pobres e da classe média de Vila Rica). Os revoltosos pegaram em armas e ocuparam alguns pontos de Vila Rica. Após chamar os revoltosos para negociar, o governador ordenou a prisão de todos que participaram da revolta. Para aumentar seu controle sobre a Colônia, o rei separou Minas Gerais de São Paulo, criando em 1720 a capitania de Minas Gerais.



Representação da morte de Felipe Santos.


O controle sobre os diamantes 





      No Arraial do Tijuco, assim que o rei soube da existência de diamantes, mandou expulsar os antigos moradores do local, dividiu as terras em lotes, separou para si o lote em que havia uma grande mina e leiloou os demais entre os homens brancos da região. Para administrar e policiar a área criou a Intendência dos Diamantes. Em 1739, o rei de Portugal arrendou a extração de diamantes a contratadores – homens que recebiam o direito de explorar as valiosas pedras em troca de uma parte da riqueza. Posteriormente, em 1771, o governo português acusou os contratadores de enriquecimento elícito e reassumiu o controle total sobre os diamantes.


A sociedade mineradora



     A população de Minas Gerais, em 1776, era composta de 70.169 brancos, 82.000 pardos e 167.000 negros. Observe o gráfico:





Os ricos



     Na região mineradora, as maiores fortunas pertenciam quase sempre aos grandes comerciantes, e não aos donos de minas. Os tropeiros, homens que comerciavam mulas, cavalos e gado de corte, também conseguiram prosperar, chegando a se destacar na sociedade mineira.     Já entre os donos de minas, foram poucos ao que enriqueceram. O motivo é simples: boa parte do que ganhavam servia ao pagamento de impostos ou eram gastos com a compra de mão de obra e de artigos importados como ferramentas, vinhos, tecidos, trigo, queijos e doces.


As camadas médias


     Em Minas Gerais, no século XVIII, houve um crescimento também das camadas médias: artesãos, profissionais liberais, padres, garimpeiros, donos de vendas e roceiros.


Gravura de Charles Landseer retrata tropeiro descansando junto à sua carga.


Os homens livres pobres


      Nas capitanias do ouro vivia também um grande numero de homens livres pobres. Eles perambulavam pelos arraiais pedindo esmola e comida, brigando nas vendas ou praticando pequenos furtos; moravam em casebres que dividiam com outros marginalizados ou com mulheres igualmente pobres. No qual serviam para as autoridades para fazer serviços pesados ou perigosos.





Os escravizados


            

    O dia a dia dos escravizados nas regiões mineiras era particularmente difícil. Não realizavam tarefas ligadas à mineração. Também transportavam mercadorias e pessoas, construíam estradas, casas e chafarizes, comerciavam pelas ruas e lavras.

     Como se vê, a sociedade do ouro premiou a poucos e castigou a maioria. Os habitantes da Minas, porem, não se calaram diante da escravidão, da pesada rede de impostos e de outras violências a que foram submetidos. Resistiam a tudo isso desobedecendo em silêncio, promovendo revoltas, desviando ouro e diamantes, reclamando à Justiça, fugindo para a mata e formando quilombos.
Quadro de Tarsila do Amaral que mostra escravos trabalhando na mineração.









13 comentários:

  1. tente da proxima vez melhorar a resoluçao das imagens e textos

    ResponderExcluir
  2. Ótimo,mais podia falar mais da sociedade mineradora.

    ResponderExcluir
  3. Você poderia detalhar mais? Mas se não for possível esse estará igualmente bom,^-^.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, mais com alguns erros gramaticais como " foi separada da se São Paulo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso não é erro gramatical. É erro de digitação.

      Excluir
    2. Isso não é erro gramatical. É erro de digitação.

      Excluir
  5. Muito bom não tenho do quer reclamar adorei

    ResponderExcluir
  6. Muito bom não tenho do quer reclamar adorei

    ResponderExcluir
  7. Boa Noite..
    Essas imagens tem valor comercial.?
    Existe dessas gravuras ??
    Gratoo

    ResponderExcluir